12 de abr de 2016

Impeachment não passará no plenário da Câmara dos Deputados

Comissão especial aprova admissibilidade do processo, mas parlamentares avaliam que defensores do impeachment não têm votos suficientes para afastar Dilma Rousseff da Presidência da República.

Por Christiane Peres



Foto: Richard Silva/ PCdoB na Câmara
 


















Com quase 10 horas de debate, a comissão especial do impeachment aprovou nesta segunda-feira (11), por 38 votos a favor e 27 contra, o relatório do deputado Jovair Arantes (PTB-GO), que recomenda o afastamento da presidenta Dilma Rousseff. Agora, o parecer será analisado pelo plenário da Câmara, onde será preciso 342 votos favoráveis para o pedido seguir para o Senado.

Para os comunistas, no Plenário, a vitória “golpista” não passará. Para a deputada Jandira Feghali (RJ), a oposição não alcançará os dois terços necessários para que o processo contra Dilma tenha seguimento. “A comissão foi um primeiro passo, mas é o plenário que decide. Lá, nós derrubaremos o golpe em curso no país. O Brasil acordou e não queremos retrocessos”, afirma.

Um levantamento feito por deputados da base do governo e divulgado nesta segunda pelo portal Brasileiros indica que Dilma tem maioria no plenário. Segundo a pesquisa, 195 deputados votariam contrários ao impeachment – o que garantiria a derrota do pedido de impedimento.

Para a presidenta nacional do PCdoB, deputada Luciana Santos (PE), “os defensores do golpe, que tentam a todo custo interromper o mandato da presidenta Dilma Rousseff, precisam percorrer um longo caminho para atingir os necessários dois terços do Plenário”.

Percentual insuficiente

O parecer aprovado na comissão especial do por 38 votos a favor e 27 contrários demonstra que os defensores do golpe contra a presidenta Dilma Rousseff terão muitas dificuldades para aprovarem o parecer no plenário, composto por 513 deputados. Mesmo vitoriosos na comissão, os votos favoráveis equivalem a 58%, o que no plenário significa menos de 300 deputados. Para chegarem aos 342 votos no plenário o percentual é de 66.6%. Já os 27 votos contrários ao parecer  equivalem a 42%, o que no plenário seriam 213 votos, quando na verdade serão necessários 172 (33,3%).


 Fonte: PCdoB na Câmara - PORTAL VERMELHO