julho 28, 2014

Nomes irreverentes podem levar à impugnação da candidatura

  • Fotos: Divulgação e Raul Spinassé | Ag. A TARDE
    Prof. Moisés, o Homem-Aranha; Jerusa Pinheiro, a Sherrie Renovo de Davi; Wilson Araújo, o Eu te amo
"Você sabe que eu te amo?". O que pode parecer inicialmente uma cantada romântica, na verdade, é a tentativa de Wilson Roberto Alves Araújo, 53, para tentar ganhar o voto do eleitorado. Candidato a deputado federal pelo PEN, ele escolheu como nome de campanha a insólita expressão "Eu te amo".

E não é o único. Eles estão em todos os partidos. No entanto, uma resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), publicada este ano, abre caminho para o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) impugnar a candidatura dos que abusarem da criatividade.

De acordo com o texto da resolução 23.405, assinada pelo presidente do TSE, Dias Toffoli, o nome de campanha pode ser o prenome, sobrenome, apelido, entre outros, "desde que não se estabeleça dúvida quanto a sua identidade, não atente contra o pudor e não seja ridículo ou irreverente".

E irreverência é o que não falta. Dos 350 candidatos baianos que concorrem a uma vaga na Câmara dos Deputados, pelo menos 27 deles escolheram nomes excêntricos e até mesmo engraçados. Enquanto a maioria opta por nome de batismo, há quem prefira apelido ou alguma característica da própria trajetória, como Mago do Trânsito, Tcheny e Latinha.

No caso dos candidatos a deputados estaduais na Bahia, a estratégia se repete. Dos postulantes, cerca de 40 abusam da criatividade com nomes como Cara de Hambúrguer, Bell com Amor, O Galo Cego, Abelhinha, Zé do Saco, entre muitos outros.

O procurador regional eleitoral José Alfredo foi procurado pela reportagem para comentar o caso, mas, até o fechamento desta edição, não foi localizado.

Credibilidade

Wilson, o "Eu te amo", é funcionário da Caixa Econômica. Ele confessa que a expressão romântica é para chamar a atenção, já que é a primeira vez que se lança na disputa eleitoral e não dispõe de recursos para tocar uma campanha. "Quero agregar. Procurei algo que fosse agradável aos ouvidos. Estou apostando no inusitado do nome".

A abordagem é, no mínimo, curiosa. "Chego para as pessoas e pergunto: você sabe que eu te amo? E me apresento. Está tendo boa aceitação". A bandeira que defende é a da família. "Nossos líderes estão deixando muito a desejar. O mundo precisa de pessoas que amam o próximo. Se eu amar você, não vou desviar verba, não vou votar em projetos que não sejam do interesse da população".

Wilson diz, ainda, que não tem receio de o nome interferir na credibilidade. "Alguns podem pensar que é gozação, mas não é brincadeira. Sou cristão. As pessoas tem que ver Jesus em mim. Tem que amar o próximo", diz.

O cientista político Jorge Almeida diz que, no contexto da irreverência, existem dois tipos. Há os que escolhem um apelido ou expressão pela qual já são conhecidos. "Há pessoas que são conhecidas só pelo apelido. Eles usam porque querem ser identificados. Outros, acham que inventando nomes esdrúxulos serão eleitos".

Almeida acredita, no entanto, que são poucas as chances de se eleger com nomes inventados: "É muito difícil que seja eleito apenas pelo nome esdrúxulo. Acho que pode ter algum resultado eleitoral quando a pessoa já é conhecida pelo apelido, como no caso de Tiririca que já era celebridade e se elegeu".

Apesar de não ser conhecida como o palhaço Tiririca (PR), eleito pelo estado de São Paulo em 2010, é no inusitado também que a técnica de enfermagem Albeia Rodrigues Araújo (PSC), a Abelhinha, aposta como estratégia. Ela conta que se identifica com as abelhas que são operarias e voam juntas, ajudando umas as outras. "Eu me sinto igual às abelhinhas, trabalhando junto pelo próximo. E parece também com meu nome. Por isso, escolhi".

Foi na atuação na saúde que Abelhinha decidiu entrar no ramo da política. "Eu tinha pena dos pacientes. Trabalhava no plantão das colegas que maltratavam eles. Eu ia no lugar delas para passar carinho, amor e atenção. Por ver as pessoas sofrendo, pensei que estando com os políticos poderia fazer algo pelo povo".

É a terceira investida dela na colmeia política. Concorreu como vereadora em 2008 e 2012, em Lauro de Freitas, mas não venceu. Para sair como candidata, largou o emprego que tinha numa empresa particular.

"Não tenho dinheiro. Só fé. Nem tenho mais salário. Estou esperando doações. Mas o político não é para pensar no ouro, na ganância. É para fazer uma boa gestão enquanto estiver na terra", defende.

Durante a trajetória, Abelhinha cogitou desistir. "Umas pessoas ricas me disseram que eu não ganharia nunca porque sou pobre e que eles conseguem porque tem dinheiro para comprar as pessoas. Fiquei desanimada, mas não desisti", questiona.

Super-herói

Na teia das eleições, há quem se espelhe até em super-heróis. É o caso do Prof. Moisés, o Homem-Aranha (PSDB), candidato a deputado federal. Professor, radialista e palestrante, Moisés Barbosa dos Santos aproveitou a fama que conseguiu, no município de Cruz das Almas, dando palestras, para associar ao seu nome de campanha. Quando palestra para o publico infantil, ele se veste do super-herói.

O professor relata que entrou na política porque quer se tornar presidente da república. "O pessoal passou a me chamar de Homem-Aranha e uso para chamar a atenção mesmo. Vou deixar claro que sou capacitado".

No município de Camaçari, José Raimundo de Jesus dos Santos (PT), não abriu mão do apelido da adolescência, quando trabalhou em uma lanchonete: Cara de Hambúrguer. "É por causa da cara redonda. Até o governador Jaques Wagner, que é meu padrinho de casamento, me chama assim. Esquisito seria botar José Raimundo que ninguém conhece", afirma o candidato a deputado estadual.

Também candidata À Assembleia Legislativa, Jerusa Santos Pinheiro (DEM) decidiu unir uma expressão bíblica à elegância francesa. Da junção, resultou o nome de campanha excêntrico: Sherrie Renovo de Davi.

"Sherrie é querida em francês, mas escrevi com 'S'. Trabalho com eventos e todo mundo me chama de Cherry. Renovo de Davi significa soldado valente. Uma irmã me indicou um salmo na Bíblia que tinha a expressão e eu decidi usar porque sou guerreira. Já passei por muita coisa na vida", conta.

Líder comunitária, Sherrie relata que, após um acidente, quebrou os dois pés. Havia o risco de não voltar mais a andar. Ela chegou a usar um carrinho de mão porque não tinha cadeira de rodas. "Não tenho receio de acharem que é brincadeira. Conquistei as pessoas com esse nome. Meu facebook é assim. É o resultado de uma superação".

Saiba mais

Casos serão julgados até agosto

Todos os postulantes que se registraram para disputar as eleições deste ano aos cargos de deputado estadual e federal terão as candidaturas julgadas até o próximo 21 de agosto. “A Justiça Eleitoral indefere alguns casos de nomes irreverentes. O Tribunal tem indeferido principalmente quando usam nomes de famosos”, destaca o advogado eleitoral Ademir Ismerin.

A resolução 23.405 do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ressalta as restrições no artigo 30. O nome para urna (nome de campanha) é escolhidos pelos próprios candidatos. Os casos que atentem contra o pudor, sejam ridículos ou irreverentes devem ser evitados.

“Muitos desses candidatos se lançam porque querem estar na festa, facilitar a vida deles, ter contato com os políticos”, opina Ismerin.
Ele diz que há uma disparidade entre quem que  se lança pela primeira vez e aqueles que já estão na estrada. “A lei eleitoral é rígida com quem nunca foi nada. Eles não podem fazer campanha antes de 5 de julho. Detentores de mandato continuam na ativa, aparecendo por conta do mandato. É preciso dar oportunidade igual”.

Consciência política

O cientista político Gilberto Wildberg destaca que essa irreverência na política não ocorre em países mais sisudos como França e Alemanha. “Acontece na América Latina inteira e o eleitorado responde a isso. Depende da consciência política dos eleitores que acham que (a votação) é apenas um momento de escolha distante dele. O eleitor não vê aquilo como seu. Escolhem candidatos como se estivessem escolhendo cavalos”, afirma.

“Os candidatos escolhem o nome para ver se cola. As chances deles são poucas porque são pouco conhecidos. O que falta  é um nível de consciência e participação popular sobre o que é a eleição”, acrescenta Wildberg.

Candidata ao Senado defende mais investimentos em educação no País


Publicada em 27/07/2014 11:56:54
Tribuna da Bahia
Eliana Calmon é membro da Comissão da América Latina pra a prevenção do crime da ONU
Eliana Calmon é membro da Comissão da América Latina pra a prevenção do crime da ONU
“A educação no Brasil não precisa de novas leis. Já existem bons projetos e boas experiências para servir de referência e buscar melhores resultados”, afirma a candidata ao Senado, Eliana Calmon (PSB), ex-ministra do Superior Tribunal de Justiça.
A jurista tem reafirmado que somente a educação pode mudar realmente o País e que o investimento em escolas de tempo integral e políticas públicas que estimulem a permanência de crianças e jovens na rede de ensino são passos importantes para mudar o Brasil.
Eliana cita como exemplo uma experiência que vem sendo realizada no Piauí, com o estímulo à aproximação dos pais das escolas.
“No Piauí, a família é atraída para dentro da escola, onde participa diretamente de atividades e auxilia em vários aspectos, criando um comprometimento que está trazendo bons resultados. No Senado já existem projetos interessantes, como o do senador Cristóvão Buarque. O que precisamos é fazer com que essas ações sejam realmente postas em prática.”
Segundo a candidata, que é membro da Comissão da América Latina pra a prevenção do crime da ONU, somente a educação é capaz de reduzir os índices de violência. “A polícia tem o papel de garra do estado. Não adianta investir em segurança se não investir em educação", disse.
De acordo com a candidata, os traficantes muitas vezes são a referência de organização nas comunidades e a ele que recorrem os moradores. "Esse tem que ser o papel do Estado, com políticas públicas que garantam a cidadania.”
Eliana Calmon aponta ainda que investir em educação resulta em economia para o Estado. “Uma criança na escola custa R$ 224 aos cofres públicos. Um cidadão cumprindo pena custa R$ 1.840.
Tribuna da Bahia

Candiba vai ganhar estrada, praça pública e cisternas na zona rural

27 de Julho de 2014Imprimir
 
Brumado Agora
 
Foto: Carol Garcia | GOVBA
Em comemoração aos 52 anos do município de Candiba, no centro sul do estado, a população vai ser beneficiada com investimentos em rodovia, construção de praça pública e cerca de 150 cisternas na zona rural. O anúncio foi feito pelo governador Jaques Wagner, neste sábado (26), véspera do aniversário de emancipação política do município. Ele esteve na cidade acompanhado da primeira dama Fátima Mendonça e do secretário de Desenvolvimento Social e Combate à Pobreza, Cézar Lisboa. O governador autorizou a elaboração do projeto para o asfaltamento de 11 quilômetros, que liga o distrito de Pilões à sede municipal, por meio da Secretaria de Infraestrutura (Seinfra), e a construção de uma praça. “Já investimos na região e no calçamento de ruas da cidade. Agora autorizamos a melhoria da estrada. Ainda investiremos R$ 750 mil em cisternas para alavancar a vida do povo da zona rural”. As obras vão beneficiar os mais de 13 mil habitantes da região conhecida como Sertão Produtivo, que inclui outros 18 municípios, a exemplo de Brumado, Caculé, Guanambi, Lagoa Real e Tanhaçu.

julho 25, 2014

Guanambi: homem com passagens pela polícia é executado


 
Sexta, 25 de Julho de 2014  
 
Um homem identificado como Carlisson Jander Teixeira Silveira, 25 anos, foi morto a tiro na noite desta quinta-feira (24/07).

A vítima tinha varias passagens pela delegacia local e foi executado por volta das 20 horas com um tiro na cabeça.
Segundo relatos de populares, um carro preto se aproximou do homem e disparou.

JJSHOW

AGRICULTORES DA BA COMEMORAM RESULTADO DA SAFRA DE ALGODÃO

Bahia econômica



No oeste da Bahia a colheita do algodão já atingiu  20% do total, índice inferior ao do ano passado, já que este ano houve atraso no plantio por causa do clima. “Começamos atrasados, mas hoje estamos colhendo 50 hectares por dia, com planejamento de terminar em 30 ou 40 dias”, explica o agrônomo João Rubens.

O algodão que sai de Luís Eduardo Magalhães abastece as regiões Norte e Nordeste do país. Só na região oeste do estado serão colhidas 308 mil hectares de algodão. A região oeste da Bahia representa 92% de toda a produção do estado. A Bahia deve produzir um milhão e duzentas mil toneladas de algodão, 38% a mais do que na safra passada.

Em uma fazenda a expectativa é de aumento na produtividade este ano. “Com relação ao ano passado, vamos aumentar quase 20%. Eu acredito que vai ser um ano de supersafra”, diz Paulo Schimidt. A Bahia é o segundo maior produtor de algodão do país, só perde pra Mato Grosso. (Globo Rural)

Estado de saúde de fotógrafo e pilota é grave após queda de avião na divisa de Barreiras

Quinta, 24 de Julho de 2014 - 21:07

Bahia Notícias

Estado de saúde de fotógrafo e pilota é grave após queda de avião na divisa de Barreiras
Foto: Sigi Vilares / Blog Sigi Vilares
A queda de um avião de pequeno porte na manhã desta quinta-feira (24) deixou duas pessoas gravemente feridas na divisa entre Barreiras e Luís Eduardo Magalhães, no oeste baiano. A bordo da aeronave estavam o fotógrafo Rui Resende e a piloto Ana Maíra Moraes. Segundo a Força Aérea Brasileira (FAB), o equipamento era experimental e regularizado pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), porém, não homologado. Encaminhados para o Hospital do Oeste, em Barreiras, a condutora fraturou duas pernas e está em coma induzido. Resende passou por uma cirurgia. O estado de saúde de ambos é considerado grave. Os dois faziam um voo panorâmico sobre uma plantação de algodão. 

Inauguração da nova sede do PT de Guanambi


Ontem (24), o PT de Guanambi inaugurou a sua nova sede localizada na Rua Humberto de Campos. O presidente municipal do partido, Dori Lobo, coordenou o evento festivo que contou com a participação do Prefeito de Guanambi, Charles Fernandes, do candidato a deputado estadual Jonas Paulo (PT), do candidato a deputado estadual Wanderson Pimenta (PT), dos vereadores Dr. Son da Biolac, Nenzinho e Vitor Bonfim - candidato a deputado estadual (PDT), dos secretários Jairo Magalhães e Valguimar Cotrim, representando o Deputado Federal Josias Gomes, o seu assessor Dauro Nogueira, Dr. Ariovaldo Boa Sorte, Dr. Luia Lélis (PCdoB) e diversas lideranças políticas e comunitárias. O evento também contou com um ato de novas filiações ao partido.