MÚSICA: Josy Lélis

Nascida em Juazeiro-Ba, desde muito cedo atenta a tudo o que ocorre à sua volta, brota-lhe no íntimo a inevitável e forte inclinação a uma das mais belas expressões de arte: a música.

Guanambi: Espetáculo teatral com Matheus Boa Sorte acontece nos dias 05 e 06 de Agosto

Nos próximos dias 05 e 06 de Agosto, no Centro Cultural de Guanambi, o comunicador Matheus Boa Sorte, apresentador do Dendê na Mochila da TV Aratu/SBT e repórter do SBT Notícias para todo o Brasil, faz a estreia do "Sonhar não paga imposto".nião.

IV FÓRUM MUNICIPAL DE CULTURA DE GUANAMBI

Nos dias 28 e 29, na Câmara de Vereadores de Guanambi, aconteceu o IV Fórum Municipal de Cultura com a participação de ativistas das diversas áreas culturais de Guanambi. O tema central do fórum foi a Gestão Compartilhada e Participativa.

UMA VIAGEM NO TEMPO E NA HISTÓRIA DE CARINHANHA

No dia 27 de Julho de 2017, acompanhado de minha prima Claudete Lélis e Roberto Fernandes, fizemos uma viagem histórica à cidade de Carinhanha com o objetivo inicial de continuar o trabalho de resgata da memória da família de Belizária Leão Lélis (Vó Beli) e identificar o túmulo de Adalgísio de Castro Lélis.

Conselho da Cidade aprova regulamentação para implantação de loteamentos, condomínios e chácaras em Guanambi

Ontem (1), às 17 horas, na Prefeitura Municipal de Guanambi, aconteceu a reunião ordinária do Conselho da Cidade de Guanambi com o objetivo de debater e votar a proposta de revisão da Lei Municipal nº 706/2012, que dispõe sobre o parcelamento do solo urbano.

29 de out de 2008

EDITORIAL

Kassab, Serra e 2010: já ganhou?

Apoiadas na reeleição de Gilberto Kassab (DEM) em São Paulo, as classes dominantes e sua mídia aplaudem o governador tucano José Serra como o grande vencedor de 2008 e o seu candidato presidencial em 2010. Seu entusiasmo beira o delírio.

Até a compostura foi-se. Ninguém mais guarda as aparências segundo as quais o candidato de Serra, de anel no dedo e papel passado, era Geraldo Alckmin, Kassab era ''o outro'', e a maior cidade eleger prefeito do PSDB foi São Luís do Maranhão –com métodos que incluíram a pasta apreendida pela Polícia Federal no domingo, cheia de notas de R$ 20,00 destinadas a comprar votos.

A tonelagem do bulldozer com que atropela seus rivais – agora Alckmin, em 2002 Roseana Sarney – é uma das marcas do estilo Serra. Outra é o controle da mídia, buscando submeter todo veículo à condição de claque. É ele que preserva Serra de críticas a um governo medíocre, privatizante e socialmente cruel.

Ainda agora, o pais estarreceu-se com o desfecho do seqüestro da jovem Eloá Pimentel; a mídia atirou-se à pauta com avidez vulturina,criticando tudo exceto o governador de São Paulo, responsável pelasegurança. Os policiais civis travam longa greve por salários edignidade; a PM os impede de chegar ao Palácio dos Bandeirantes com bombas de gás e efeito moral; os professores se indignam com a burla da Lei do Piso Salarial Profissional Nacional… Mas o escudo midiático protege Serra de tudo e ainda o vende como grande vencedor.

O escudo funciona também no conflito intratucano entre Serra e Aécio Neves. O governador de São Paulo reelegeu o prefeito da capital? Hosana! O governador de Minas elegeu o de Belo Horizonte? É, mas não teve a votação esperada…

A torcida serrista agora é que a crise nascida nos Estados Unidos cause o máximo de estragos no Brasil e em especial na popularidade do presidente Lula. Durante a última crise, em 2002, Serra disputou aPresidência com Lula e perdeu em todos os estados exceto Alagoas. Em 2010 o tucano e seus cortesãos esperam que o quadro se inverta, e o mantra de que ''Lula não transfere seu prestígio'', repetido mil vezes, vire verdade.

Não se julga aqui o indivíduo José Serra, que um dia já foi presidenteda UNE, e um jovem economista exilado no Chile a acusar o crescimento perverso sob a ditadura de 1964. Avalia-se o papel político de quem se tornou o último trunfo na manga das classes dominantes, com destaque para a plutocracia paulista, visando recobrar o governo federal perdido.

Num país cindido por um abismo social e portanto político, esse é o lado dos inimigos do povo trabalhador, do progresso, da independência e da equidade. Foi o lado derrotado em 2002, 2006 e também em 2008, na maioria das cidades (4.151 a 1413), das grandes cidades (58 a 19) e das capitais (20 a seis). O frenesi com a proeza de Serra-Kassab em São Paulo (resultado que demanda análise específica) apenas revela o desconserto dessa gente com tal sucessão de derrotas, nunca vista na história deste país, e o temor de mais uma em 2010.


Portal Vermelho

28 de out de 2008

LATINHA LÉLIS - AGRADECIMENTO AOS ELEITORES

Queridos eleitores e amigos
Acabamos de eleger os vereadores que irão representar os cidadãos de Guanambi nos próximos quatro anos. Foi um pleito que envolveu grande disputa, com 56 candidatos, e que resultou numa grande renovação na Câmara Municipal. Paulo Costa(PCdoB) obteve uma importante vitória política com 39% dos votos para Prefeito.
Na condição de vereador eleito quero expressar a minha alegria ante o reconhecimento do nosso trabalho e AGRADECER a todos os que contribuíram para essa vitória.
Saímos deste processo mais fortes e renovando o compromisso de continuarmos a luta em defesa de uma Guanambi mais humana e democrática, contruíndo ações e projetos voltados para a geração de emprego e renda, saúde pública humanizada, educação de qualidade, meio ambiente, cultura, esporte e lazer. Tenham certeza que honraremos os 1.078 votos recebidos lutando por uma Guanambi melhor para todos.
Um forte abraço
José Carlos Lélis Costa
LATINHA

COMENTÁRIO DO JORNAL A TARDE

O Jornal A TARDE de hoje(28), na coluna "Tempo Presente - Levi Vasconcelos" fez o seguinte comentário político: " Da série "eu perdi, mas ganhei": Paulo Costa (PCdoB), de Guanambi, obteve 14.973 votos (38%) contra 23.956 (61%) do prefeito e ex-governador Nilo Coelho e se acha vitorioso: "Diziam que eu ia ser esmagado. Está aí".

13 de out de 2008

ELEIÇÕES 2008 - GUANAMBI

Paulo Costa sai fortalecido na disputa contra Nilo Coelho.

Candidato a prefeito da coligação “Guanambi de Todos Nós”, que reuniu um amplo leque de forças políticas contra o PP e DEM, Paulo Costa (PCdoB) avalia como positiva a participação no pleito e o percentual de votos recebidos na disputa contra o ex-governador da Bahia, Nilo Coelho (PP). “Uma campanha na condição em que disputamos, extremamente desigual e sem recursos, frente a um adversário que detém uma das maiores riqueza do estado e ainda conta com toda a máquina pública a seu dispor, pode sim ser considerada uma grande vitória”, afirmou.
Costa obteve quase 15 mil votos e beirou a casa dos 40% de votos válidos. o candidato do PP, Nilo Coelho, venceu a eleição com uma diferença de pouco mais de 23%. “Não digo que foi um resultado acima da expectativa, porque realmente disputamos a eleição para ganhar”, destacou. “Estávamos sintonizados com a expectativa de mudança da população e a nossa campanha cresceu muito. Mas houve uma intensificação de obras eleitoreiras de última hora em todos os lugares que, de fato, causou impacto e impulsionou uma deformação do resultado”, acredita.

Mesmo com a derrota, a oposição cresceu no município que, há mais de 20 anos, é administrado por legendas herdeiras das antigas oligarquias do algodão. O cenário político após o pleito de domingo mostra a polarização em dois campos distintos. “A nossa idéia agora é consolidar as bases aliadas e nos preparamos para embates futuros, cada vez mais fortalecidos”, declarou Costa. “E agradeço aos eleitores que confiaram no nosso projeto”, finalizou.

De Salvador,
Camila Jasmin

Fonte: Portal Vermelho