5 de set. de 2022

Em “mensagem ao povo brasileiro”, CNBB rechaça golpismo eleitoral

 


Reunida em Aparecida, interior de São Paulo, a 59ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil aprovou o teor da carta que reforça preocupação com a manipulação religiosa e a disseminação de fake news que põem em risco a democracia.

Sob a presidência de dom Walmor Oliveira de Azevedo, arcebispo de Belo Horizonte (MG), a assembleia reuniu 292 bispos católicos de todo o Brasil, entre os dias 28 de agosto e 2 de setembro, quando foi divulgada a “Mensagem da CNBB ao povo brasileiro sobre o momento atual”, que afirma estar o Brasil “envolto em crise complexa e sistêmica”.

O texto traz um tom contundente de crítica ao governo central, embora não cite diretamente o presidente ou qualquer autoridade da República. Um dos trechos registra que essa crise “escancara a desigualdade estrutural, historicamente enraizada na sociedade brasileira. Constatamos os alarmantes descuidos com a Terra, a violência latente, explícita e crescente, potencializada pela flexibilização da posse e do porte de armas que ameaçam o convívio humano harmonioso e pacífico na sociedade. Entre outros aspectos destes tempos estão o desemprego e a falta de acesso à educação de qualidade para todos”.

Ao citar dados da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) sobre a fome, o documento lembra os milhões de famintos no Brasil e registra que “a fome, para os bispos do Brasil, é certamente o mais cruel e criminoso [dos aspectos destes tempos], pois a alimentação é um direito inalienável”. “A fome é criminosa”, reiterou dom Jaime Spengler, arcebispo de Porto Alegre (RS) e primeiro vice-presidente da CNBB, durante entrevista coletiva para anúncio da carta.

Leia tambémCNBB lança manifesto em defesa do processo democrático nas eleições

Além desses problemas, no documento os bispos fazem uma firme defesa da democracia brasileira: “Como se não bastassem todos os desafios estruturais e conjunturais a serem enfrentados, urge reafirmar o óbvio: Nossa jovem democracia precisa ser protegida, por meio de amplo pacto nacional. Isso não significa somente um respeito formal de regras, mas é o fruto da convicta aceitação dos valores que inspiram os procedimentos democráticos”.


Presidente da CNBB, dom Walmor Oliveira de Azevedo, em entrevista coletiva dia 2/9/2022. 
Foto: Luiz Lopes Jr./CNBB


O documento afirma que as tentativas de ruptura da ordem institucional, veladas ou explícitas, buscam colocar em xeque a lisura desse processo, bem como a conquista irrevogável do voto. “Pelo seu exercício responsável e consciente, a população tem a capacidade de refazer caminhos, corrigir equívocos e reafirmar valores. Reiteramos nosso apoio incondicional às instituições da República, responsáveis pela legitimação do processo e dos resultados das eleições”.

Leia também7 de Setembro: CNBB defende democracia e políticas contra a crise

Os bispos reforçaram ainda a preocupação com a manipulação religiosa e a disseminação de notícias falsas (fake news) que têm o poder de desestruturar a harmonia entre pessoas, povos e culturas, colocando em risco a democracia. “A manipulação religiosa, protagonizada por políticos e religiosos, desvirtua os valores do Evangelho e tira o foco dos reais problemas que necessitam ser debatidos e enfrentados em nosso Brasil. É fundamental um compromisso autêntico com o Evangelho e com a verdade”, afirmaram.



Nenhum comentário: