18 de abr de 2017

ACUADO, TEMER RECUA EM TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO NA PREVIDÊNCIA

REUTERS/Ueslei Marcelino


Com seu projeto de reforma da Previdência amplamente rejeitado pela população e sem apoio sequer de sua base aliada, Michel Temer segue anunciando mudanças na proposta, muitas delas classificadas anteriormente pelo Planalto como "inegociáveis"; em um cenário pós-apocalíptico das delações da Odebrecht, que atingiram em cheio a cúpula de seu governo, Temer aposta num discurso de "flexibilização" das regras da Previdência para conseguir aprovar seu pacote; em entrevista na noite de segunda, Temer afirmou que o tempo de contribuição mínima para a aposentadoria integral que sofrerá alterações; o governo reduzirá a proposta de 49 para 40 anos de contribuição para que o trabalhador tenha direito ao benefício integral; a idade mínima de aposentadoria das mulheres também deve ser alterada; em vez de 65 anos, as trabalhadoras devem poder parar de trabalhar aos 60 anos. 247 BRASIL