10 de mar de 2017

Lula e o Velho Chico


SEBASTIÃO COSTA
Médico pneumologista

247 BRASIL


Transpuseram o menino pobre no lombo de um pau-de-arara. O menino pobre, tornou-se presidente para transpor água aos irmãos nordestinos que ficaram
O rio São Francisco é o único grande rio puramente brasileiro
Luis Inácio é o único presidente genuinamente nordestino
O rio São Francisco nasce por entre os sovacos da serra mineira
Luiz Inácio veio ao mundo em meio à aridez das brenhas pernambucanas
Ao rio imenso deram-lhe o simpático nome de Velho Chico
Ao metalúrgico irrequieto o singelo nome de Lula
A visão nacionalista do gaúcho Getúlio doou ao Brasil as grandes estatais
O espírito empreendedor do mineiro Juscelino construiu a capital dos brasileiros
A convicção ditatorial dos militares impôs ao país a inutilidade da Transamazônica
O sentimento solidário do pernambucano Lula levou ao nordeste a sonhada transposição do rio São Francisco
A magnitude, a visibilidade e a repercussão da obra atiçaram o instinto eleitoreiro de políticos sem uma gota de sensibilidade social. Mas, quantos Cássios, Alckimins e Temers moraram em casa de taipa, viajaram de pau-de-arara, beberam água temperada com mijo de animal? Quem nesse país teria a coragem, a força e a determinação política de construir a maior obra social da história, sem ter sentido na boca a humilhação da sede, na barriga o vazio da fome?
Fosse o Velho Chico gente como a gente e carregasse no peito o sentimento de solidariedade, há muito tempo suas águas redentoras teriam encharcado as veredas esturricados dos grotões nordestinos.
Mas, como o rio não é gente, o jeito foi alguém com jeito de gente sertaneja fazer brotar no coração de milhões de nordestinos a felicidade de nunca mais sentir o gosto sofrido da sede.