2 de dez de 2016

Sargento da PM acusa governo de perseguição política

POLÍTICA LIVRE

Foto: Reprodução
O sargento da Polícia Militar da Bahia, Diogo Éder, acusa o governo estadual de “perseguição política” após ser transferido do 17° Batalhão de Polícia Militar, em Guanambi, para a 94ª Companhia Independente de Polícia Militar, em Caetité. De acordo com o sargento Éder, nesta quarta-feira, 30, ele foi ‘surpreendido’ com a publicação da transferência, pelo critério AP (a pedido), em que o servidor solicita ser movimentado.”O que causa maior estranheza é que nunca, repito nunca, pedi transferência para Caetité ou qualquer outra unidade policial. Se alegação fosse necessidade de serviço seria, no mínimo, descabida, pois o Batalhão de Guanambi há anos está com efetivo totalmente defasado”, relata. O Sargento afirma que os ‘motivos que justificam o ato ainda são desconhecidos’, porém não descarta certas hipóteses: “motivação política e/ou por fazer parte da Associação de Policiais, Bombeiros Militares e de seus Familiares do Estado da Bahia – ASPRA Bahia, entidade que luta pelo direitos dos Policiais e Bombeiros e por Segurança Pública de qualidade para população”. Éder cita, ainda, que o ato ocorreu antes da Assembleia Geral da categoria, que será realizada nesta sexta-feira, 02, em prol dos ‘direitos negados pelo Governo’. “(A PM) Única entidade classista que enfrenta a tirania do Governo do Estado.Esses percalços fazem parte da vida de quem não se omite, não se corrompe e preferiu ir pra guerra. Justiça & Liberdade”, finaliza.