30 de jul de 2016

A TARDE - COLUNA TEMPO PRESENTE - LEVI VASCONCELOS

Você já viu jegue virar carro? Na eleição, pode


As regras para a propaganda eleitoral na internet (começa em 16 de agosto), divulgadas ontem pela Justiça Eleitoral com base na lei 9.504/97, têm alguns detalhes curiosos.
Há algumas coisas positivas, vá lá.
Quem, por exemplo, contratar terceiros para insultar candidatos ou partidos, uma prática comum no mundo virtual, pode se dar mal. A punição inclui cadeia de dois a quatro anos para o contratante e o contratado, além de multa de R$ 5 mil a R$ 15 mil.
Mas há também os absurdos. Exemplo: é proibido pedir voto explicitamente. Do jeito que a coisa vai, ainda teremos eleições com os candidatos mudos.
Mas, internet à parte, a lei eleitoral como um todo tem muitas brechas que podem render boas piadas. Começa pelo modelo de financiamento. A tradição política no Brasil é o povo pedir dinheiro aos candidatos e, agora, a lei pretende inverter, que o povo dê.
Mas a melhor mesmo é a do jegue. Se você botar um som em cima de um jumento, tem que declará-lo como carro de som.
É o jegue elétrico, como chamam.