15 de jan de 2016

Ataques a Wagner prenunciam disputa de 2018 no PT

EXCLUSIVA POLÍTICA LIVRE

Foto: Política Livre/Arquivo
Ministro Jaques Wagner é o plano B de Lula para 2018
Nos meios brasilienses, os ataques de Rui Falcão, presidente nacional do PT, e do ex-ministro Tarso Genro às declarações recentes do ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, afirmando que o partido se “lambuzou”, são interpretados como ciúme dos dois em relação ao fortalecimento da relação entre o “galego” e o ex-presidente Lula, que anda em baixa. Seria também o prenúncio da grande disputa interna que o PT deverá viver por conta da sucessão presidencial de 2018. Wagner, que teria dado as declarações depois de uma conversa com Lula, o que significa que obteve seu respaldo para falar na “lambança petista”, é o preferido do ex-presidente para disputar a sucessão de Dilma Rousseff no caso de um eventual impedimento seu. Tarso gostaria de estar em seu lugar. Já Falcão, perdeu, para Wagner, a primazia nos conselhos ao ex-presidente. “O baiano é o plano B de Lula para o Planalto em 2018″, diz, em sua coluna “Esplanada”, o jornalista Leandro Mazzini.